Categoria: Livro

As lutas autogestionárias no leste europeu

Este Livro de Bolso analisa – de forma sintética – o ciclo de lutas autogestionárias no Leste europeu. Originalmente foi publicado com o título “Leste europeu: a dialética da „revolução passiva‟” e faz parte do meu livro “Do Beco dos Sapos aos canaviais de Catende” (Marília: Editora Lutas anticapital, 2019).

Democracia e socialismo: Carlos Nelson Coutinho em seu tempo

O livro que Victor Neves entrega agora ao público é um sério, rigoroso e indispensável ensaio sobre a produção teórico-política de Coutinho. Resultado de escrupulosa pesquisa acadêmica, mas vazada em linguagem clara e acessível a todo leitor disposto a ampliar os seus horizontes políticos e intelectuais, este é o primeiro esforço sistemático e abrangente para oferecer um quadro do pensamento político de Coutinho sem reduzi-lo a eventos conjunturais ou a um singular itinerário pessoal. […] Todo grande autor reclama um grande analista. Com o livro que o leitor tem em mãos, Victor Neves se candidata a ser o primeiro grande analista do pensamento teórico-político de Carlos Nelson Coutinho. (José Paulo Netto)

Marx e o século XXI: notas para uma teoria crítica da sociedade

O esforço deste trabalho, mesmo que introdutório, é articular as categorias fundantes da sociedade da mercadoria desenvolvidas por Marx com um conjunto de outros intelectuais ocupados com a construção de uma teoria crítica, no intuito de apreender as diversas facetas da crise civilizatória que alcança o conjunto da sociedade capitalista no século XXI.

Quem é o povo no Brasil?

Esse pequeno livro de Nelson Werneck Sodré fez parte de uma coleção que marcou época no Brasil: os Cadernos do Povo Brasileiro. O objetivo era o de educar o grande público, cada vez mais envolvido na disputa política e ideológica naquele começo de anos 60, em torno das grandes questões que dividiam opiniões. Este texto de Sodré procura elucidar o significado de povo no Brasil daquele período, exatamente para que se soubesse de que lado o autor estava e que grupos sociais deveriam se mobilizar na luta pela democracia popular.

Exército Nacional Libanês: reflexos do confessionalismo na instituição militar

Cheaito chega em boa hora para o mercado editorial nacional, que pouco aborda questões ligadas ao Oriente Médio. A grande maestria da jovem pesquisadora resultou em um Prêmio de Mérito Acadêmico. Com isso, o presente livro não trata apenas do Exército Nacional Libanês, e sim de questões como o Império Otomano, a influência francesa no território, a independência libanesa, a implantação do Confessionalismo, o Pacto Nacional Libanês, a Guerra Civil de 1958, a (real) representatividade política e religiosa, entre outras pertinências. Um estudo que, certamente, irá inspirar futuros pesquisadores sobre a região.

A Autogestão Comunal

Comuna, comunidade, comunismo… Como espaços/tempos delonga duração, são milenares as práticas econômicas e culturais dos povos latino-americanos para preservar o que deve ser “comum” (aterra, os rios, os mares, os frutos do trabalho…). No século 21, a luta pelo direito de produzir a vida de modo antagônico à lógica do capital requer a reafirmação do poder comunal fundado na autogestão do trabalho e da vida social. Bem vinda a publicação do livro de Claudio Nascimento pela editora Lutas Anticapital.

A cidadania burguesa e os limites da democracia

A cidadania é conceito constitutivo da democracia antiga e, também,da democracia moderna. A antiga não separa, no seu exercício, apolítica da economia, se realiza como cidadania ativa, mesmo não englobando a maioria da população. Já a moderna se efetiva na substituição, pelo capitalismo, do privilégio político pelo econômico, ou seja, é uma cidadania passiva que despolitiza os indivíduos e atomiza-os.

A estratégia democrático-popular: um inventário crítico

Este livro é resultado de trabalho coletivo, reflexão em grupo, longos debates e muitas disponibilidades individuais. Sua história éum pedaço da história recente da esquerda no Brasil, caminhos quebrados aglutinando intelectuais oriundos de diferentes organizações e posições políticas.

Pensando com Marx (I) Capitalismo da miséria, organização revolucionária, transição comunista e emancipação

A compilação de textos que ora se transforma em livro, foi escrita entre 1998 até os dias atuais. Está inclinada no sentido de mais evidenciar a caminhada da formulação da nova organização necessária e capaz de carregar com denodo a velha e vital bandeira da emancipação humana, no caso, do deus capital que se ergueu há séculos e hoje vai devorando as conquistas de sua civilização, destruindo as bases territoriais e fundamentos práticos e teóricos do progresso nas cidadelas nacionais.